quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO


Fundamentação legal

 Lei Federal 9394/96 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional Resolução CNE/CEB nº 04/99 - CEF/CEM aprovado em 05-07-2000. Diretrizes para a implementação da Educação Profissional de Nível Técnico no Sistema de Ensino do Estado do Pará; Indicação CEE Resolução nº. 001 de 05 de janeiro de 2010, artigo 41; Lei Federal nº 7.410/85 e no Decreto Federal nº 92.530/86 que regulamentaram a Profissão de Técnico de Segurança do Trabalho. Decreto 5.514 de 23 de Julho de 2004.


OBJETIVOS 

O objetivo deste curso é levar o aluno, através dos processos de aprendizagem, a desenvolver competências para o desempenho de atividades inerentes ao seu campo de atuação, com condições de tomada de decisão para planejamento, concepção e produção de projetos, reconhecendo e aplicando os princípios de segurança necessários à preservação da vida e conservação dos ambientes de trabalho; valorizando a criatividade e a abertura para o inusitado e o novo; da política da igualdade, levando ao reconhecimento e valorização dos bens comuns e das ações democráticas; da ética da identidade, proporcionando o conhecimento e o respeito que se reflete nos atos cotidianos, seja no exercício profissional ou em outra função social.


REQUISITOS DE ACESSO

São requisitos de acesso ao Curso:

Ter concluído ou estar cursando o último ano do Ensino Médio, (sendo que o Diploma de Técnico em Segurança do Trabalho só será expedido pela escola após a apresentação de documento de conclusão do Ensino Médio).

 PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO
Após a conclusão do Curso, o Técnico em Segurança no Trabalho terá condições de atuar no âmbito das empresas públicas e privadas que admitem trabalhadores como empregados, bem como em empresas e instituições que buscam desenvolver Programas de Gestão de Riscos no Trabalho.
O profissional terá condições de:
a) Analisar procedimentos de rotina, indicar medidas e sistemas de proteção coletiva e equipamentos de proteção individual.
b) Coletar dados e informações capazes de identificar os locais de riscos de acidentes pessoais e materiais, visando a implantação de mecanismos que corrijam as deficiências de máquinas, equipamentos, de organização de trabalho, reduzindo assim, a possibilidade de interrupção da linha produtiva por eventual ocorrência de acidente de trabalho.
c) Elaborar planos, instrumentos de avaliação, programas de segurança, normas e regulamentos internos.
d) Desenvolver programas de integração prevencionista, palestras, cursos para a redução dos acidentes e controle de sinistros, bem como, para a melhoria das relações interpessoais e de produtividade nos ambientes de trabalho.
e) Estabelecer com os trabalhadores e chefias procedimentos que permitam a atuação conjunta entre os diversos setores frente aos acidentes de trabalho e sinistros.
f) Divulgar conhecimentos sobre as necessidades da segurança em benefício do desenvolvimento dos trabalhadores e da empresa.
g) Identificar agentes ambientais agressivos ao trabalhador, propondo sua eliminação ou controle.

Além das competências específicas, esse perfil deverá considerar também as competências gerais a seguir, estabelecidas para a área profissional de Saúde:

  Identificar os determinantes e condicionantes do processo saúde-doença.
  Identificar a estrutura e organização do sistema de saúde vigente.
        Identificar funções e responsabilidades dos membros da equipe de trabalho.
        Planejar e organizar o trabalho na perspectiva do atendimento integral e de qualidade.
        Realizar trabalho em equipe, correlacionando conhecimento de várias disciplinas ou ciências, tendo em vista o caráter interdisciplinar da área.
       Aplicar normas de biossegurança.
Aplicar princípios e normas de higiene e saúde pessoal e ambiental.
 Interpretar e aplicar legislação referente aos direitos do usuário.
 Identificar e aplicar princípios e normas de conservação de recursos não renováveis e de preservação do meio
    ambiente.
 Aplicar princípios ergonômicos na realização do trabalho.
 Avaliar riscos de iatrogenias, ao executar procedimentos técnicos.
 Interpretar e aplicar normas do exercício profissional e princípios éticos que regem a conduta do profissional de
   saúde.
 Identificar e avaliar rotinas, protocolos de trabalho, instalações e equipamentos.
   Operar equipamentos próprios do campo de atuação, zelando pela sua manutenção.
  Registrar ocorrências e serviços prestados de acordo com exigências do campo de atuação.
  Prestar informações ao cliente, ao paciente, ao sistema de saúde e a outros profissionais sobre os serviços que tenham sido prestados.
  Orientar clientes ou pacientes a assumirem, com autonomia, a própria saúde.
  Coletar e organizar dados relativos ao campo de atuação.
  Utilizar recursos e ferramentas de informática específicos da área.
  Realizar primeiros socorros em situações de emergência

A Lei Federal nº 7.410/85 e o Decreto nº 92.530/86, ao regulamentar a profissão de Técnico em Segurança do Trabalho, assegurou que o Ministério do Trabalho definiria suas atividades ocupacionais. Pela Portaria Ministerial nº 3.275/89, o Ministério do Trabalho definiu que esse profissional terá as seguintes atribuições, que fazem parte do seu perfil profissional:

  Informar o empregador, através de parecer técnico, sobre os riscos existentes nos ambientes de trabalho, bem como orientá-lo sobre as medidas de eliminação e neutralização;
  Informar os trabalhadores sobre os riscos da sua atividade, bem como as medidas de eliminação e neutralização;
  Analisar os métodos e os processos de trabalho e identificar os fatores de risco de acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho e a presença de agentes ambientais agressivos ao trabalhador, propondo sua eliminação ou seu controle;
  Executar os procedimentos de segurança e higiene do trabalho e avaliar os resultados alcançados, adequando-os às estratégias utilizadas de maneira a integrar o processo previdencialista em uma planificação, beneficiando o trabalhador;
  Executar programas de prevenção de acidentes do trabalho, doenças profissionais e dos ambientes de trabalho com a participação dos trabalhadores, acompanhando e avaliando seus resultados, bem como sugerindo constante atualização dos mesmos e estabelecendo procedimentos a serem seguidos;
Promover debates, encontros, campanhas, seminários, palestras, reuniões, treinamentos e utilizar outros recursos de ordem didática e pedagógica com o objetivo de divulgar normas de segurança e higiene do trabalho, assuntos técnicos, administrativos e previdenciários, visando evitar acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho;
Executar as normas de segurança referentes a projetos de construção, ampliação, reforma, arranjos físicos e de fluxo, com vistas à observância das medidas de segurança e higiene do trabalho, inclusive por terceiros;
  Encaminhar aos setores e áreas competentes normas, regulamentos, documentação, dados estatísticos, resultados de análises e avaliações, materiais de apoio técnico, educacional e outros de divulgação para conhecimento e auto- desenvolvimento do trabalhador;
  Indicar, solicitar e inspecionar equipamentos de proteção contra incêndio, recursos audiovisuais e didáticos e outros materiais considerados indispensáveis de acordo com a legislação vigente, dentro das qualidades e especificações técnicas recomendadas, avaliando seu desempenho;
  Cooperar com as atividades do meio ambiente, orientando quanto ao tratamento e destinação dos resíduos industriais, incentivando e conscientizando o trabalhador da sua importância para a qualidade de vida;
  Orientar as atividades desenvolvidas por empresas contratadas, quanto aos procedimentos de segurança e higiene do trabalho previstos na legislação ou constantes de prestação de serviço;
  Executar as atividades ligadas à segurança e higiene do trabalho utilizando métodos e técnicas científicas, observando dispositivos legais e instrucionais que objetivem a eliminação, controle ou redução permanente dos riscos de acidentes de trabalho e a melhoria das condições do ambiente, para preservar a integridade física e mental dos trabalhadores;
 Levantar e estudar os dados estatísticos de acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho, calcular a freqüência e a gravidade destes para ajustes das ações prevencionistas, normas, regulamentos e outros dispositivos de ordem técnica, que permitam a proteção coletiva e individual;
  Articular-se e colaborar com os setores responsáveis pelos recursos humanos, fornecendo-lhes resultados de levantamentos técnicos de riscos das áreas e atividades para subsidiar a adoção de medidas de prevenção em nível de pessoal;
  Orientar os trabalhadores e os empregados sobre as atividades insalubres, perigosas e penosas existentes na empresa, seus riscos específicos, bem como as medidas e alternativas de eliminação ou neutralização dos mesmos;
  Avaliar as condições ambientais de trabalho e emitir parecer técnico que subsidie o planejamento e a organização do trabalho de forma segura para o trabalhador;
  Articular-se e colaborar com os órgãos e entidades ligados à prevenção de acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho;
 Participar de seminários, treinamentos, congressos e cursos visando o intercâmbio e o aperfeiçoamento profissional.




 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 

 O Curso Técnico de Segurança do Trabalho será desenvolvido em três etapas, totalizando carga horária de 1200h + 120 horas de estágio, conforme estabelecido pela legislação vigente.
 A duração do Curso será de três semestres subseqüentes, totalizando um ano e meio, permitindo uma permanente atualização do currículo de acordo com as transformações que vão se processando no mercado de trabalho.



EMENTAS
EMENTAS

INFORMÁTICA APLICADA E DESENHO TÉCNICO – CARGA HORÁRIA: 40 HS

Introdução do conhecimento do software Autocad 2D, tendo em vista ser este um programa que atende as necessidades das demais disciplinas que envolvem os conhecimentos do desenho técnico; pesquisar informações sobre o período e a necessidade de implantação da informática aplicada ao desenho; pesquisar a real necessidade do conhecimento deste programa; sugerir e estudar a proposta de aperfeiçoamento dos profissionais  que ainda não dominam este recurso da informática. Apresentação e uso do material de desenho; traçados e construções básicas; vistas ortográficas; perspectiva isométrica; escala; cotagem; noções de cortes; interpretação de projetos e de desenho de instalações em geral.
BIBLIOGRAFIA
ABNT. Coletânea de Normas de Desenho Técnico. São Paulo, SENAI-DTE-DMD, 86 p. 1990.
Pereira, A. Desenho Técnico Básico. Livraria Francisco Alves Editora S.A. RJ, 1977.
Votaini, A.L.S.; Sihn, I.M.N. Curso de Auto Cad – Release 13. São Paulo. Makron Books, 555p. 1996.


ADMINISTRAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO – CARGA HORÁRIA: 40 HS
Apresentar e discutir os conceitos e princípios de administração, políticas e programas de Engenharia de Segurança do Trabalho, organização e manutenção dos Serviços Especializados em Segurança e Medicina do Trabalho e seus aspectos éticos.
BIBLIOGRAFIA
Novaes HM. Ações Integradas nos Sistemas Locais de Saúde: análise conceitual e apreciação de programa. Rio de Janeiro, Editora Pioneira, 2000
Misoczki MCA, Bech J (Orgs.). Estratégias de Organização da Atenção à Saúde. Rio de Janeiro, Editora da Casa, 2002
Misoczki MCA; Bordim R (Orgs). Gestão local em Saúde: práticas e reflexões. Rio de Janeiro, Editora da Casa, 2003

HIGIENE DO TRABALHO – CARGA HORÁRIA: 60 HS
Conceituação, classificação e reconhecimento dos riscos.  Contaminantes químicos. Contaminantes sólidos e líquidos. Contaminantes gasosos. Medidas de controle coletivo para agentes químicos. Medidas de controle individual. Estudos de casos específicos. Laboratório de manuseio de equipamentos de avaliação de contaminantes sólidos e líquidos. Laboratório de manuseio de equipamentos de avaliação de contaminantes gasosos. Laboratório de aferição e determinação de vazão dos equipamentos de avaliação. Trabalho prático de controle de agentes químicos. Riscos relativos ao manuseio, armazenagem e transporte de substâncias agressivas. Radiação ionizante. Radiações não ionizantes. Rádio-freqüência. Radiação infravermelha. Radiação ultravioleta. "Laser" e "maser”. Iluminação. Pressões elevadas e baixas. Agentes físicos. Ruído. Vibrações. Sobrecarga térmica. Laboratório de técnicas de medição. Laboratório de avaliação e controle. Temperaturas baixas. Manuseio de aparelhos de medição.
BIBLIOGRAFIA
MINISTÉRIO DO TRABALHO. Curso para engenheiros de segurança do trabalho. São Paulo: FUNDACENTRO, 1981.
GOELZER, B. Estratégias para avaliação de exposição no ambiente de trabalho a contaminantes atmosféricos. São Paulo: Revista Cipa, 1993.
MACINTYRE, Archibald J. Ventilação industrial e controle da poluição. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

PSICOLOGIA DO TRABALHO – CARGA HORÁRIA – 40 HS
Noções de psicologia. Características de personalidade. Aspectos psicológicos do trabalho e do acidente. Aspectos psicológicos da seleção de pessoal. O treinamento, sua importância na engenharia de segurança do trabalho. O papel do engenheiro de segurança do trabalho na educação prevencionista. Requisitos de aptidão. Aspectos comportamentais na utilização do equipamento de proteção individual. A ação sindical: atuação do engenheiro de segurança do trabalho na relação capital-trabalho. Técnicas de comunicação. Elaboração de relatórios técnicos. Desenvolvimento organizacional. Relações humanas. Dinâmica de grupo. Comissões de segurança do trabalho. Segurança integrada.

Bibliografia Básica:

CARDOSO, Álvaro. Stress no trabalho: uma abordagem pessoal e empresarial. Rio de Janeiro: Revinter, 2001.
CORLETT, E. N.; QUÉINNEC, Y.; PAOLI, P. Adaptação dos sistemas de trabalho por turnos. Luxemburgo: FEMCVT, 1989.
DEJOURS, Cristophe. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez, 1987.


SEGURANÇA DO TRABALHO – CARGA HORÁRIA – 60 HS
Segurança do trabalho: histórico e evolução. Normas regulamentadoras. Serviço especializado em segurança e medicina do trabalho. Acidente do trabalho. Comunicação de acidente do trabalho. Riscos ambientais: físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes mecânicos. Higiene do trabalho. Prevenção de acidentes: análise preliminar de riscos, medidas de controle, equipamentos de proteção coletiva e individual. Programas de segurança do trabalho: PPRA, PCMSO, CIPA, AMT, PPCI, PPR, PCA. Insalubridade e periculosidade. Legislação.

Bibliografia Básica:

CAMPOS, V. F. Gerenciamento da rotina do trabalho do dia-a-dia.  Belo Horizonte: Ed. de Desenvolvimento Gerencial, 2001.          
DE CICCO, F. M.; FANTAZZINI, M. L. Introdução à engenharia de segurança de sistemas. São Paulo: Fundacentro, 1988.
HARRINGTON, H. James. Gerenciamento total da melhoria contínua. São Paulo: Makron Books, 1997
A Saúde e Segurança Ocupacional nos diplomas legais vigentes no país:
• Constituição da República Federativa do Brasil - Publicada no DOU n. 191-A, de 5.10.88.
• Código Civil
• Código de Processo Civil
• Consolidação das Leis do Trabalho – CLT
• Regulamento da Previdência Social - Decreto 3.048/99 - Publicado no DOU de 7.7.99

Fontes:

PROTEÇÃO AO AMBIENTE DE TRABALHO – CARGA HORÁRIA: 60 HS

Apresentar aos participantes a conceituação e a importância da preservação do Meio Ambiente, Qualidade do Ar, Qualidade da Água, Preservação do Solo, Serviços de Saneamento e Destinação de Resíduos Industriais. Novos paradigmas da área ambiental. Conceituação e importância da preservação do meio ambiente. Programas de preservação do meio ambiente. Aspectos legais, institucionais e órgãos regulamentadores. Sistemática a seguir na preparação de um estudo da proteção do meio ambiente. Critérios e técnicas de avaliação e controle de poluentes. A preservação do meio ambiente e a qualidade do ar. A preservação do meio ambiente e a qualidade da água. Processos expeditos de purificação. Preservação do meio ambiente e preservação do solo. Destinação de resíduos industriais. Serviços básicos de saneamento em casos de emergência.

BIBLIOGRAFIA
Brasil, Ministério da Saúde. Doenças Relacionadas ao Trabalho. Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde. Normas e Manuais Técnicos nº 114. Brasília, 2001.
DONAIRE, D. Gerenciamento ambiental. São Paulo: Atlas. 1995.
JARDIM, N. S. et al.  Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas -CEMPRE, 1995.
Mendes R (org.) Patologia do Trabalho. 2ª ed. atual. e ampl. São Paulo; Editora Atheneu, 2003.
VERDUM, R.; MEDEIROS, R. M. V. RIMA - Relatório de Impacto Ambiental.  Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 1995.


ERGONOMIA – CARGA HORÁRIA: 40 HS
 Noções de fisiologia do trabalho. Aplicação de forças. Aspectos antropométricos. Dimensionamento de postos de trabalho. Limitações sensoriais. Dispositivos de controle. Dispositivos de informação. Sistema homem-máquina. Trabalho em turno.

Bibliografia Básica:

Couto HA. Como Implantar Ergonomia na Empresa. A Prática dos Comitês de Ergonomia. Belo Horizonte, Ergo, 2002.
DEJOURS, Cristophe. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez, 1987.
GRANDJEAN, E. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. 4.ed. Porto Alegre: Bookmam, 1998.
IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. São Paulo: Edgard Blücher, 1993.


REDAÇÃO – CARGA HORÁRIA: 60 HS
Correspondência oficial e redação técnica. A redação e a ciência da comunicação, qualidade da redação oficial e técnica. Aspectos gramaticais: Sintaxe de regência e colocação. Ortografia e pontuação. Técnicas de redação técnica; elaboração de pareceres técnicos, de relatórios técnicos, de ordens de serviço e de comunicações internas.
BIBLIOGRAFIA
Barbosa, Severino, Antonio M. Redação. 5ª edição. Campinas, Papirus, 1989.
Medeiros, João Bosco. Português Instrumental: para cursos de contabilidade, economia e administração. São Paulo, Atlas, 2005.
Vanoye, Francis. Usos da linguagem. São Paulo, Martins Fontes, 1978.



INFORMÁTICA APLICADA/DESENHO TÉCNICO – CARGA HORÁRIA: 40 HS
Representação de pontos, retas, planos e sólidos geométricos. Elaboração de esboços e desenhos técnicos, segundo ABNT. Práticas de desenho usando vistas, projeções e perspectivas. Ferramentas de desenho auxiliado por computador (CAD).
BIBLIOGRAFIA
ABNT. Coletânea de Normas de Desenho Técnico. São Paulo, SENAI-DTE-DMD, 86 p. 1990.
Pereira, A. Desenho Técnico Básico. Livraria Francisco Alves Editora S.A. RJ, 1977.
Votaini, A.L.S.; Sihn, I.M.N. Curso de Auto Cad – Release 13. São Paulo. Makron Books, 555p. 1996.

HIGIENE DO TRABALHO – CARGA HORÁRIA: 40 HS
Apresentar e discutir as questões relativas aos contaminantes químicos e biológicos e as respectivas medidas de prevenção. Apresentar e discutir as questões relativas a sobrecargas térmicas,temperaturas baixas, níveis de iluminância, pressões baixas e elevadas, sistemas de ventilação e prática no manuseio e operação de equipamentos para avaliação de agentes nocivos.
BIBLIOGRAFIA
MINISTÉRIO DO TRABALHO. Curso para engenheiros de segurança do trabalho. São Paulo: FUNDACENTRO, 1981.
GOELZER, B. Estratégias para avaliação de exposição no ambiente de trabalho a contaminantes atmosféricos. São Paulo: Revista Cipa, 1993.
MACINTYRE, Archibald J. Ventilação industrial e controle da poluição. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.


MEDICINA DO TRABALHO – CARGA HORÁRIA: 40 HS
Conceituação e importância. Serviços de medicina do trabalho. Atribuições e relacionamento com a engenharia de  segurança. Doenças do trabalho. Doenças causadas por agentes físicos, químicos e biológicos. Doenças do trabalho na indústria e no meio rural. Aspectos epidemiológicos das doenças do trabalho. Toxicologia. Primeiros socorros.
Bibliografia Básica:
BRITO FILHO, Dilermando. Toxicologia humana e geral. 2.ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1988.
MENDES, R. Medicina do trabalho: doenças ocupacionais. São Paulo: Sarvier, 1980.
VIEIRA, S. I. Medicina básica do trabalho. Curitiba: Gênesis,  1995.


SEGURANÇA DO TRABALHO – CARGA HORÁRIA: 60 HS

Natureza dos riscos empresariais, riscos puros e riscos especulativos. Conceituação e evolução histórica. Segurança de sistemas. Sistemas e subsistemas. A empresa como sistema. Responsabilidade pelo produto. Identificação de riscos: inspeção de segurança, investigação e análise de acidentes. Técnica de incidentes críticos. Fundamentos matemáticos: Confiabilidade e álgebra booleana. Análise de riscos: análise preliminar de riscos,  análise  de  modos  de falha  e efeito, série de riscos. Análise de árvores de falhas. Avaliação de riscos. Avaliação das perdas de um sistema. Custo de acidentes. Previsão e controle de perdas: controle de danos, controle total de perdas. Programas de prevenção e controle de perdas. Planos de emergência. Retenção de riscos e transferência de riscos. Noções básicas de seguro.

Bibliografia Básica:

CAMPOS, V. F. Gerenciamento da rotina do trabalho do dia-a-dia.  Belo Horizonte: Ed. de Desenvolvimento Gerencial, 2001.          
DE CICCO, F. M.; FANTAZZINI, M. L. Introdução à engenharia de segurança de sistemas. São Paulo: Fundacentro, 1988.
HARRINGTON, H. James. Gerenciamento total da melhoria contínua. São Paulo: Makron Books, 1997


PRINCÍPIOS DE TECNOLOGIA INDUSTRIAL – CARGA HORÁRIA: 40 HS
Conhecimentos e serviços em Metrologia, Normalização, Regulamentação Técnica e Avaliação da Conformidade; Análise de produtos e processos industriais.
BIBLIOGRAFIA
AMORIM, Tânia M. Técnicas de análise de riscos: métodos qualitativos e quantitativos. 1° Seminário de Análise de Riscos de Processos Industriais; ABIQUIM; São Paulo, 1991.
CETESB. Manual de orientação para a elaboração de estudos de análise de riscos; São Paulo, 1994.
Silva, Pedro Paulo Almeida. Metrologia nas normas, normas na metrologia. Dissertação de mestrado, PUC-RIO, Rio de Janeiro, 2003.

TÉCNICA E PREVENÇÃO NO COMBATE A SINISTROS – CARGA HORÁRIA: 40 HS
Conceituação e importância. Bombas e motores. Veículos industriais. Ferramentas manuais. Ferramentas motorizadas. Vasos sob pressão, caldeiras. Equipamentos pneumáticos. Fornos. Compressores. Soldagem e corte. Equipamentos de processos Industriais. Equipamentos e dispositivos elétricos. Sistema de proteção coletivo. Equipamentos de proteção individual – EPIs. Projeto de proteção de máquinas. Localização industrial. Arranjo físico. Edificações. Estruturas e superfícies de trabalho. Transporte, armazenagem e manuseio de materiais. Tanques, silos e tubulações. Cor, sinalização e rotulagem. Obras de construção, demolição e reformas. Eletricidade: cabines de transformação, aterramento elétrico, pára-raios. Área de utilidade. Manutenção preventiva e engenharia de segurança.

Bibliografia Básica:

MACHER, Cezar et al. Curso de engenharia e segurança do trabalho. São Paulo: FUNDACENTRO, 1979.
MONTICUCO, Deogledes. Medidas de proteção coletiva contra quedas de altura. São Paulo: FUNDACENTRO, 1991.
WONGTSCHOWISKI, Pedro. Curso de coordenação de projetos industriais. 2.ed. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Petróleo, 1994.


PREVENÇÃO E CONTROLE DE PERDAS – CARGA HORÁRIA: 60 HORAS
Conceituação e importância. Bombas e motores. Veículos industriais. Ferramentas manuais. Ferramentas motorizadas. Vasos sob pressão, caldeiras. Equipamentos pneumáticos. Fornos. Compressores. Soldagem e corte. Equipamentos de processos Industriais. Equipamentos e dispositivos elétricos. Sistema de proteção coletivo. Equipamentos de proteção individual – EPIs. Projeto de proteção de máquinas. Localização industrial. Arranjo físico. Edificações. Estruturas e superfícies de trabalho. Transporte, armazenagem e manuseio de materiais. Tanques, silos e tubulações. Cor, sinalização e rotulagem. Obras de construção, demolição e reformas. Eletricidade: cabines de transformação, aterramento elétrico, pára-raios. Área de utilidade. Manutenção preventiva e engenharia de segurança.

Bibliografia Básica:

MACHER, Cezar et al. Curso de engenharia e segurança do trabalho. São Paulo: FUNDACENTRO, 1979.
MONTICUCO, Deogledes. Medidas de proteção coletiva contra quedas de altura. São Paulo: FUNDACENTRO, 1991.
WONGTSCHOWISKI, Pedro. Curso de coordenação de projetos industriais. 2.ed. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Petróleo, 1994.


PROTEÇÃO AO ECOSSISTEMA – CARGA HORÁRIA: 40 HS

Novos paradigmas da área ambiental. Conceituação e importância da preservação do meio ambiente. Programas de preservação do meio ambiente. Aspectos legais, institucionais e órgãos regulamentadores. Sistemática a seguir na preparação de um estudo da proteção do meio ambiente. Critérios e técnicas de avaliação e controle de poluentes. A preservação do meio ambiente e a qualidade do ar. A preservação do meio ambiente e a qualidade da água. Processos expeditos de purificação. Preservação do meio ambiente e preservação do solo. Destinação de resíduos industriais. Serviços básicos de saneamento em casos de emergência.

Bibliografia Básica:

DONAIRE, D. Gerenciamento ambiental. São Paulo: Atlas. 1995.
JARDIM, N. S. et al.  Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas -CEMPRE, 1995.
VERDUM, R.; MEDEIROS, R. M. V. RIMA - Relatório de Impacto Ambiental.  Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 1995.

NORMALIZAÇÃO E LEGISLAÇÃO APLICADA – CARGA HORÁRIA: 40 HS
 Legislação. Conceituação: constituição, lei, decreto, portaria. Hierarquia: legislação federal, estadual, municipal. Legislação acidentária. Legislação previdenciária. Legislação sindical. Consolidação das leis do trabalho. Trabalho da mulher e do menor. Atribuições do engenheiro e do técnico de segurança do trabalho. Responsabilidade profissional, trabalhista, civil e criminal. A co-responsabilidade. Portarias normativas e outros dispositivos legais. Embargo e interdição. Convenção e recomendações da Organização Internacional do Trabalho. Normas técnicas. Normas nacionais, estrangeiras e internacionais. Técnicas do preparo de normas, instruções e ordens de serviço. Importância da utilização de normas técnicas internas para a engenharia de segurança.

Bibliografia Básica:

CAMPOS, José Luiz Dias. O ministério público e o meio ambiente do trabalho: responsabilidade civil e criminal do empregador e prepostos. São Paulo: FUNDACENTRO, 1991.
BARBOSA FILHO, Antônio Nunes. Segurança do trabalho e gestão ambiental. São Paulo: Atlas, 2001.
ZOCCHIO, Álvaro. Prática da prevenção de acidentes: ABC da segurança do trabalho.  7.ed. São Paulo: Atlas, 2001.


PRINCÍPIOS DE TECNOLOGIA INDUSTRIAL – CARGA HORÁRIA: 40 HS
Introdução; definições fundamentais; princípio fundamental da teoria da construção; classificação das construções; fases da construção; instalações prediais; NR's aplicadas à construção civil, elétrica, máquinas e substâncias químicas; matérias-primas; processos de fabricação mecânica; montagem; caldeiras e vasos de pressão; eletricidade; fontes de energia elétrica; alta e baixa tensão; segurança em eletricidade; a química e suas relações com as indústrias; princípios de tecnologia orgânica e inorgânica; os principais processos químicos industriais; a indústria química de base; a Indústria química fina; os aspectos de segurança do trabalho na indústria química; as principais indústrias químicas.

MEDICINA DO TRABALHO – CARGA HORÁRIA: 60 HS
Conceituação e importância. Serviços de medicina do trabalho. Atribuições e relacionamento com a engenharia de segurança. Doenças do trabalho. Doenças causadas por agentes físicos, químicos e biológicos. Doenças do trabalho na indústria e no meio rural. Aspectos epidemiológicos das doenças do trabalho. Toxicologia. Primeiros socorros.
Bibliografia Básica:
BRITO FILHO, Dilermando. Toxicologia humana e geral. 2.ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1988.
MENDES, R. Medicina do trabalho: doenças ocupacionais. São Paulo: Sarvier, 1980.
VIEIRA, S. I. Medicina básica do trabalho. Curitiba: Gênesis,  1995.
Associação Nacional de Medicina do Trabalho. Código de Conduta do Médico do Trabalho. (http://www.anamt.org.br/conduta.html)
Comissão Internacional de Saúde no Trabalho. Código Internacional de Ética para Profissionais de Saúde no Trabalho. (Traduzido por René Mendes, versão de 2002; http://www.anamt.org.br/download/codigo_etica_atual.pdf)
Conselho Federal de Medicina. Código de Ética. Resolução no. 1.246/88 (http://www.portalmedico.org.br)



SEGURANÇA DO TRABALHO – CARGA HORÁRIA: 60 HS
 Conceitos e princípios de administração. Política e programa de engenharia de segurança do trabalho. Organização dos serviços especializados em engenharia de segurança do trabalho. O inter-relacionamento de engenharia de segurança com as demais áreas da empresa. Os aspectos éticos da profissão de engenheiro de segurança do trabalho. Recursos de informática de interesse da engenharia de segurança. Relação custo-benefício. Elaboração orçamentária para execução de um programa de segurança. Entidade e associações nacionais, estrangeiras e internacionais dedicadas e relacionadas à prevenção de acidentes.

Bibliografia Básica:

GONÇALVES, Edwar Abreu. Manual de segurança e saúde do trabalho. São Paulo: LTr, 2000.
OLIVEIRA, Celso L.; MINICUCCI, Agostinho. Prática da qualidade da segurança no trabalho: uma experiência brasileira. São Paulo: LTr, 2001.
ZOCCHIO, ÁLVARO. Política de segurança e saúde no trabalho: elaboração, implantação e administração. São Paulo: LTr, 2000.


TÉCNICAS DE PROMOÇÃO E DIVULGAÇÃO – CARGA HORÁRIA: 40 HS
A disciplina tem como objetivo principal traçar um panorama sobre o campo da saúde do trabalhador e da medicina do trabalho. Conteúdo programático: A medicina social, a saúde do trabalhador e a medicina do trabalho: Conceitos essenciais da sociologia e da antropologia para a compreensão do mundo do trabalho, das doenças do trabalho e da medicina do trabalho nas sociedades históricas; Introdução à medicina do trabalho: conceitos essenciais de saúde, trabalho, doença e acidente do trabalho, fatos históricos relevantes na formação do campo da medicina do trabalho, informações gerais sobre métodos e técnicas utilizadas no campo da saúde do trabalhador e a formação do especialista em medicina do trabalho; SUS - Princípios, diretrizes, financiamento, problemas de execução; Organização dos serviços de saúde e modelos assistenciais no Brasil; Organização dos serviços de saúde e modelos assistenciais no Brasil; Estratégias oficiais de reordenação do modelo assistencial de saúde no Brasil: os programas PSF e PACS; A realidade da saúde do trabalhador e da medicina do trabalho no Brasil e no mundo: aspectos epidemiológicos sobre as principais doenças e acidentes do trabalho no Pará, Brasil e no mundo, condições de trabalho e saúde; Aspectos históricos e conhecimento das funções básicas da organização das principais instituições que atuam no âmbito da medicina do trabalho, como Ministérios da Saúde, Previdência, Trabalho, Educação, a OIT, instituições patronais e sindicais; Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde; Aspectos introdutórios sobre a legislação em saúde na Constituição e leis complementares, abrangendo SUS, Legislação da Vigilância Sanitária, Legislação de Segurança e Medicina do Trabalho e Previdência Social.
BIBLIOGRAFIA
Camargo KR Jr., Coeli CM. Sistemas de informação e banco de dados em saúde: uma introdução. Série Estudos em Saúde Coletiva, 209. Rio de Janeiro; UERJ; 2000.
DATASUS. Tabwin. Programa e Manual. Disponível em: http://www.datasus.gov.br (área Arquivos, Arquivos de Programa).
Laurenti R; Mello Jorge MHP de; Lebrão ML; Gotlieb SLD. Estatística de Saúde. 2ª edição, São Paulo, EPU, 2000.
Sistemas de Informação em Saúde:
SIM – Sistema de Informação de Mortalidade: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/sim/dados/cid9_indice.htm#doccs
SINASC – Sistema de Informação de Nascidos-Vivos:
http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/sinasc/dados/nov_indice.htm
Outras informações:
SIH-SUS (Sistema de Internações Hospitalares-Sistema Único de Saúde): http://www.saude.ce.gov.br/covac/download/manual.pdf
Associação Nacional de Medicina do Trabalho. Código de Conduta do Médico do Trabalho. (http://www.anamt.org.br/conduta.html)
Comissão Internacional de Saúde no Trabalho. Código Internacional de Ética para Profissionais de Saúde no Trabalho. (Traduzido por René Mendes, versão de 2002; http://www.anamt.org.br/download/codigo_etica_atual.pdf)
Conselho Federal de Medicina. Código de Ética. Resolução no. 1.246/88 (http://www.portalmedico.org.br

TÉCNICA E PREVENÇÃO NO COMBATE À SINISTROS – CARGA HORÁRIA: 60 HS
Conceito, importância e participação de engenharia de segurança do trabalho na proteção contra incêndio. Legislação e normas relativas à proteção contra incêndios. Estudo sobre o fogo, o incêndio e a combustão e seus efeitos. Proteção ativa–equipamentos de proteção e combate a incêndios e explosões. Proteção passiva – proteção estrutural. Explosivos – conceituação, identificação e controle. Técnicas de salvamento. Brigadas de incêndio.
Bibliografia Básica:
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Normas relativas à prevenção e combate a incêndios e explosões. Rio de Janeiro.
CAMILO JÚNIOR, Abel Batista. Manual de prevenção e combate a incêndios. São Paulo: Ed. Senac, 1998.
HANSSEN, C. A. Proteção contra incêndios no projeto. Porto Alegre: UFRGS, 1992.


PREVENÇÃO E CONTROLE DE PERDAS – CARGA HORÁRIA: 40 HS
Conceituação e importância. Bombas e motores. Veículos industriais. Ferramentas manuais. Ferramentas motorizadas. Vasos sob pressão, caldeiras. Equipamentos pneumáticos. Fornos. Compressores. Soldagem e corte. Equipamentos de processos Industriais. Equipamentos e dispositivos elétricos. Sistema de proteção coletivo. Equipamentos de proteção individual – EPIs. Projeto de proteção de máquinas. Localização industrial. Arranjo físico. Edificações. Estruturas e superfícies de trabalho. Transporte, armazenagem e manuseio de materiais. Tanques, silos e tubulações. Cor, sinalização e rotulagem. Obras de construção, demolição e reformas. Eletricidade: cabines de transformação, aterramento elétrico, pára-raios. Área de utilidade. Manutenção preventiva e engenharia de segurança.

Bibliografia Básica:

MACHER, Cezar et al. Curso de engenharia e segurança do trabalho. São Paulo: FUNDACENTRO, 1979.
MONTICUCO, Deogledes. Medidas de proteção coletiva contra quedas de altura. São Paulo: FUNDACENTRO, 1991.
WONGTSCHOWISKI, Pedro. Curso de coordenação de projetos industriais. 2.ed. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Petróleo, 1994.


PROTEÇÃO AO ECOSSISTEMA – CARGA HORÁRIA: 40 HS

Novos paradigmas da área ambiental. Conceituação e importância da preservação do meio ambiente. Programas de preservação do meio ambiente. Aspectos legais, institucionais e órgãos regulamentadores. Sistemática a seguir na preparação de um estudo da proteção do meio ambiente. Critérios e técnicas de avaliação e controle de poluentes. A preservação do meio ambiente e a qualidade do ar. A preservação do meio ambiente e a qualidade da água. Processos expeditos de purificação. Preservação do meio ambiente e preservação do solo. Destinação de resíduos industriais. Serviços básicos de saneamento em casos de emergência.

Bibliografia Básica:

DONAIRE, D. Gerenciamento ambiental. São Paulo: Atlas. 1995.
JARDIM, N. S. et al.  Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas -CEMPRE, 1995.
VERDUM, R.; MEDEIROS, R. M. V. RIMA - Relatório de Impacto Ambiental.  Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 1995.


PRIMEIROS SOCORROS – CARGA HORÁRIA: 40 HS
Engloba as atividades a serem realizadas em situações que exigem a prestação de primeiro socorros, após acidente ou mal súbito, para sobrevivência da vítima. È de fundamental importância que todos os técnicos da área de Saúde estejam habilitados a prestar esse tipo de assistência e a tomar as devidas providências para agilizar o socorro especializado.
BIBLIOGRAFIA
ABREU, Lauro Barros de, Pronto atendimento a acidentado de mão(considerações gerais e normas de atendimento). São Paulo: Imesp, 1993 109p. :
ALI, Salim Amed. Dermatose profissional na construção civil causada por cimento. São Paulo: Fundacentro,(19)36p.:il.
ASTETE, Martin Wells. GIAMPAOLI, Eduardo. ZIDAN, Leila Nadim. Riscos físicos. São Paulo: Fundacentro. 112p.: il
BRASIL. Segurança e medicina do trabalho. 14.ed. São Paulo; Atlas, 1989 352 p.: tabelas (Manuais de legislação Atlas; 16
BRASIL. Segurança e medicina do trabalho. 18.ed. São Paulo; Atlas, 1990 415 p.: tabelas (Manuais de legislação Atlas; 16
BRASIL. Segurança e medicina do trabalho. 19.ed. São Paulo; Atlas, 1990 325 p.: il. (Manuais de legislação Atlas; 6)
BRASIL. Segurança e medicina do trabalho. 19.ed. São Paulo; Atlas, 1992 415 p.: tabelas (Manuais de legislação Atlas;16)
BRASIL.[Leis,etc.] Segurança e medicina do trabalho. 28.ed. São Paulo; Atlas, 1995. 515 p.: il. (Manuais de legislação Atlas;16)


































Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário